BRASIL, Centro-Oeste, BRASILIA, Mulher, de 36 a 45 anos
MSN - bianadf@hotmail.com

 

   

    UOL
  UOL SITES
  Adoro Fazer Amigos
  Afrodite
  Anink Marink
  Asterix
  A tonga
  O Avesso da Palavra
  Chance
  Devaneios de Amor
  dia de Crises
  Dilemas de Uma Rosa
  Ecos da Mente
  Fel
  Felicity Craft
  Hgasolim
  Do outro Lado das Teclas
  Magra Emergente
  Menage à Trois
  Morcego no Ar
  Mundo Cruel
  No one Knows
  Pequenos Instantes
  Pequi Up
  Quase memória
  simplesmente Lolli
  solidariedade
  trakineiros
  Lili Carabina
  Metaphoras
  Letras ao Acaso
  Embaixatriz do Brasil
  Sapatinhos Vermelhos
  Janelas Abertas
  Quase Terminado
  kikah


 

    28/05/2006 a 03/06/2006
  19/03/2006 a 25/03/2006
  12/03/2006 a 18/03/2006
  24/04/2005 a 30/04/2005
  16/01/2005 a 22/01/2005
  21/11/2004 a 27/11/2004
  24/10/2004 a 30/10/2004
  10/10/2004 a 16/10/2004
  26/09/2004 a 02/10/2004
  19/09/2004 a 25/09/2004
  12/09/2004 a 18/09/2004
  05/09/2004 a 11/09/2004
  29/08/2004 a 04/09/2004
  22/08/2004 a 28/08/2004
  15/08/2004 a 21/08/2004
  08/08/2004 a 14/08/2004
  01/08/2004 a 07/08/2004
  25/07/2004 a 31/07/2004
  18/07/2004 a 24/07/2004
  11/07/2004 a 17/07/2004
  04/07/2004 a 10/07/2004
  27/06/2004 a 03/07/2004
  20/06/2004 a 26/06/2004
  13/06/2004 a 19/06/2004
  06/06/2004 a 12/06/2004
  30/05/2004 a 05/06/2004
  23/05/2004 a 29/05/2004
  16/05/2004 a 22/05/2004
  09/05/2004 a 15/05/2004
  02/05/2004 a 08/05/2004
  25/04/2004 a 01/05/2004
  18/04/2004 a 24/04/2004
  11/04/2004 a 17/04/2004
  04/04/2004 a 10/04/2004
  28/03/2004 a 03/04/2004
  21/03/2004 a 27/03/2004
  14/03/2004 a 20/03/2004
  07/03/2004 a 13/03/2004
  29/02/2004 a 06/03/2004
  22/02/2004 a 28/02/2004
  15/02/2004 a 21/02/2004
  08/02/2004 a 14/02/2004


 

   

   


 
 
Arabella Bella



A Caixa do Derramamento

Arabella não sabia se tinha feito certo em mexer naquela caixa. Ela sempre ficara ali, em cima, no armário, fechada. Nunca mexia nela. Sabia que cheirava a problemas. Não, problema não era bem a palavra. Cheirava a angústia. Por isso, a caixa levava o sugestivo nome de `Caixa do Derramamento`. Era só mexer nela e saber que iria se derramar em lágrimas. Ali estavam todas as suas lembranças. Cartas, fotos, escritos, palavras ditas em vários momentos de sua vida. Desde 1987, quando conhecera o Alex, Arabella começara uma saga de escritos, escrevia quase que diariamente. 'Para a posteridade', dizia. Queria que um dia seus filhos lessem e a conhecessem melhor. Soubessem como a mãe deles era na essência. Uma mulher como outra qualquer, sem aquele conceito de mãe imaculada que todo filhos tende a ter da mãe – pelo menos até uma certa idade. A história é que, ali, ela era ela. Arabella, apenas. Certa vez, quando ainda era casada, o seu marido pediu-lhe permissão para ler o que ela escrevia. Queria saber que tipo de legado ela estava deixando para seus filhos... ‘Pode ler, mas, prometa-me nunca comentar nada do que está escrito ali. Não quero saber o que pensa. Leia e pronto. Só isso.’, disse. Ele leu. Leu e não conseguiu segurar-se. Árabella, o que é isso?’, interpelou-a. ‘Você está escrevendo essas coisas para nossos filhos. Uma mulher angustiada, triste, cheia de mágoas. O que você acha que eles vão pensar de você? Vão pensar que a mãe deles era uma depressiva. O quê que há. Você não tem esse direito’, disse ele. ‘Você é que não tem o direito de julgar o que escrevo ou deixo de escrever. Estou assim, sinto-me triste, sem ânimo, sem forças. Busco forças em meus escritos, em meus filhos. Não posso mentir para eles. Não estou numa fase boa. Não posso ser hipócrita e você sabe disso...’, retrucou e pediu-lhe: ‘Por favor, não leia nunca mais o que escrevo em minhas agendas. É meu, pessoal. Se, um dia, eu me for antes de todo mundo, decida se deixará nossos filhos lerem, mas, por favor, me reserve o direito de ser, pelo menos, aqui, nessas páginas, honesta comigo mesma, com meus filhos...’, disse. ///~..~\\\

Escrito por Arabella às 10h24
[   ] [ envie esta mensagem ]




'O Sapo de Sandra'


A história de Alex e Arabella teve vida longa, mas só na mente e imaginação de Arabella. O amor perdura até hoje em seu ser - escondidinho, dentro de uma caixinha, preso para que não saia e mostre as caras. É uma lembrança gostosa que ela insiste em ter toda vez que se fala em grandes paixões. A realidade foi bem diferente.

Se encontraram algumas vezes, outras vezes mais. Alex foi até Recife visitar a sua amada, mas já não chegou com ares de amante, apaixonado, amoroso. Foi até ela, falou de suas dificuldades e sem que Arabella descobrisse o por quê, acabou com o namoro. Com o Namoro, porque com o amor ele jamais conseguiu acabar. Arabella tem hoje Alex como uma paixão mal resolvida. Algo que ela nunca conseguiu explicar os porquês: porque começou, porque existiu, porque terminou.

A última vez que se viram foi há mais de uma década. Quando, ainda jovem, Arabella decidiu que iria até o Rio de Janeiro assistir a um show de Alex. Além de comissário de bordo, ele também aventurava-se pelo mundo da música. Tinha uma bandinha com o sugestivo nome de 'Sapo de Sandra' e dava os seus shows em Niterói. Foi no início da década de 90 que ela foi até ele... Pela última vez. Acertaram tudo. Ela ficaria, e ficou, na casa dele, da avó dele. Quando chegou ao Rio de Janeiro e o viu caminhando pelo saguão do Aeroporto Internacional do Rio sentiu-se feliz, completa. Tinha ido em busca de seu sonho.

Ele, como sempre, muito simpático, atencioso correto... Seguiram para a casa dele, onde morava com a avó. De noite seria o show... Foram para o show. Arabella ficou nos bastidores. Tinha ido fotografar a performance de seu amado e sentia-se uma rainha, a escolhida, por estar ali, acompanhando o guitarrista da banda, o seu amor. Convidada especial. Viera de longe. A glória!

Durante o show, clicara o seu amor por várias vezes, de vários ângulos. Tudo ia às mil maravilhas até que, entre uma música e outra, ele parou para falar com a platéia.
- Essa música, eu dedico a alguém muito especial que está aqui hoje e que eu amo muito. Arabella inflou-se, era para ela, claro! - Alguém de quem eu gosto muito e que, bem, não estou vendo agora onde ela está, mas, está por aí, na platéia... Arabella desabou.
Estava na primeira fileira, em frente a ele. Como não me vira e, como não falara diretamente para ela? Saiu imediatamente pela tangente, foi para os camarins, encontrou uma garrafa de wiskhy e começou a beber... Virou o gole, bebeu até ficar com dó de si... embebedou-se! Chorou... Chorou copiosamente... Quando o show terminou, Arabella tentou até enxugar as lágrimas.
Alex a encontrou encolhida, num canto da coxia.
- O que houve? Está passando bem? - Estou bem, está tudo bem, não é nada. Disse disfarçando.
- Mas.. Retrucou ele. - Não é nada, já lhe disse... Saíram. Foram levar os outros músicos em casa e seguiram para casa. Chegando lá, Alex voltou ao assunto.
- O que houve? Você chorou?
- Chorei sim, claro que chorei. Eu viajo milhas e milhas para encontrá-lo, venho só para fotografar o seu show, faço tudo isso e você, na minha cara, na cara dura, dedica a canção preferida sua, a mais romântica, a alguém que você não pode ver na platéia, quando eu estava à sua frente?
- Arabella, o que é isso, aquilo era um show, performance, teatro. - Como, e você nem para me falar agora que era eu quem você procurava???
Começou a chorar,novamente, incontrolávelmente. Arabella Soluçava... Saiu de perto. Foi para o quarto. Bêbada, vencida, jogada. Sentia-se um trapo humano. 'O' trapo humano!
- O que é isso Arabella, sabe o que sinto por você? - Sei? Não, Alex, não sei não. Pensei que soubesse... Sentiu-se envergonhada de seus sentimentos e, naquele momento, olhou para ele e jurou:
- Você nunca mais me verá chorando assim, Alex. Nunca mais! Amanhã pego o primeiro avião de Volta para Brasília e esqueça que me conheceu...
No dia seguinte, partiu e nunca mais se encontraram....

///~..~\\\



Escrito por Arabella às 18h42
[   ] [ envie esta mensagem ]





[ ver mensagens anteriores ]